O serviço DNS da Internet de 1983

Gostou? Curta e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe também seu comentário no final da postagem!

Em 23 de junho de 1983, Paul Mockapetris e Jon Postel, pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia/EUA, fazem o primeiro teste bem sucedido do sistema Domain Name System, o Serviço DNS da Internet.

Ahh… que legal… mas o que é isso?

Todos os computadores da internet conversam entre si utilizando-se de endereços numéricos, de forma similar à quando realizamos uma chamada telefônica para uma pessoa e precisamos conhecer o número dela.

Estes “números” dos computadores na Internet são conhecidos como “Endereços IP”.

Para nós seres humanos, memorizar palavras e nomes é algo muito mais natural e simples do que sequências numéricas. Por isso temos nossas “agendas de telefones”. 😊 Já imaginaram ter que saber todos os números de telefones de amigos e familiares de cor?

Agora imagine se você, ao invés de digitar “www.facebook.com” no seu navegador, tivesse que lembrar do número “31.13.85.36”, que é um dos endereços do Facebook.

Bem mais difícil não acha?

Até a invenção do DNS, os nomes e os endereços de todos os computadores da Internet eram cadastrados em um “catálogo” central existente na instituição SRI International, na Califórnia. De tempos em tempos, este catálogo precisava ser compartilhado com os demais participantes da grande rede, a fim de que todos pudessem se localizar mutuamente.

E você podia ainda dar o nome que quisesse para seus computadores. Não existia esta estrutura hierárquica segmentada por país (.br), por tipo (.com.br, .edu.br, .org.br), ou por instituição  (facebook.com.br, instagram.com.br). Seu servidor poderia se chamar simplesmente “servidordaminhaempresa” e pronto. Estava na internet! 😊

Imaginem agora uma rede em que a cada dia diversos novos computadores eram conectados. Manter este catálogo atualizado não devia ser tarefa fácil.

O sistema DNS chegou então para resolver algumas questões. A primeira, foi a implementação de uma estrutura “em árvore”, onde partimos de identificações iniciais (conhecidas como “raiz”), do tipo “.com”, “.edu”, “.gov”, “.br”, etc, e abaixo delas novas subcategorias vão sendo criadas.

A segunda questão resolvida foi a de manter um banco de dados descentralizado, onde os participantes pudessem trocar as atualizações cadastrais entre si dinamicamente, propagando automaticamente todas as novas informações incluídas para os demais membros.

O terceiro ponto foi que o serviço de “tradução” dos nomes dos sites para os seus equivalentes numéricos, passou a ser realizado automaticamente, pela simples consulta a este grande banco de dados distribuído, de forma transparente e sem que você precisasse se dar conta disso. Isso ocorria em milésimos de segundo, o que foi uma revolução.

Mas embora o sistema tenha funcionado muito bem desde o início, sua adoção foi gradual. Os primeiros domínios “raiz”, do tipo “.com”, “.edu”, “.gov”, etc, só viriam a ser criados em janeiro de 1985.

Certamente a internet não teria se expandido tanto em popularidade se não existisse a facilidade trazida pelo sistema DNS.

E você, quando começou a usar a internet?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “Legendas/CC –> Traduzir automaticamente”.

Como funciona o DNS?



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

messengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Gostou? Curta e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe também seu comentário no final da postagem!

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.