Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Em 29 de janeiro de 1980, Sir Clive Sinclair, da britânica Science of Cambridge Ltd anunciava seu revolucionário microcomputador Sinclair ZX-80.

Após o relativo sucesso obtido com seu projeto anterior, o limitado MK-14 de 1978, a britânica Science of Cambridge Ltd (que posteriormente se tornaria a Sinclair Research Ltd ) dava um novo passo, apresentando um projeto um tanto mais elaborado.

microcomputador Sinclair ZX-80 2
Vista traseira

Não que o computador em si fosse o suprassumo dos recursos tecnológicos avançados, pois usava componentes eletrônicos tipo TTL comuns, ditos “de prateleira”.

A questão principal é que ele agora dispunha de todas as funcionalidades de um computador completo, incluindo-se possibilidade de expansão, conexões de vídeo e dispositivo de armazenamento (K7).

microcomputador Sinclair ZX-80 3
Placa principal

Claro que outras opções muito mais evoluídas já existiam, como os Commodore, TRS-80 e Apple II norte-americanos. Mas a revolução que o ZX-80 causaria era na verdade em outro quesito não-técnico”: o preço.

Um projeto compacto e engenhoso, que criou o primeiro computador pessoal da história a ser vendido por menos de 100 libras (e posteriormente menos de 200 dólares no EUA).

Isso o colocava ao alcance de “quase” qualquer cidadão inglês que desejasse ter um computador em sua casa. Muito embora eventualmente ainda não soubesse pra quê. 😊

microcomputador Sinclair ZX-80 4
Matéria de jornal da época do lançamento

Seguindo a mesma estratégia do MK-14, o ZX-80 foi disponibilizado tanto na forma de kits “faça-você-mesmo”, quanto completamente montado, sendo um sucesso estrondoso de vendas e chegando a ter lista de espera de meses.

O projeto desenvolvido pelo engenheiro Jim Westwood contava com um microprocessador Zilog Z-80 (de onde vem seu nome ZX-80) rodando a 3,25MHz de velocidade, 1KB de memória RAM, 4KM de memória ROM (incluindo interpretador de linguagem BASIC), um teclado alfabético completo (qwerty) tipo membrana de 40 teclas, conexão externa para expansão, K7 (ear/mic), TV e alimentação. Muitas das unidades vendidas usavam também o microprocessador “equivalente” NEC μPD780C-1.

microcomputador Sinclair ZX-80 5
Anúncios da época

Tudo isso vinha acomodado numa caixinha plástica na cor branca, que lembrava potes de iogurte, tendo em sua face superior um teclado de membrana na cor azul.

Vendeu mais de 50mil unidades no reino unido, sendo substituído pouco tempo depois pelo remodelado ZX81.

Um computadorzinho que fez história, contribuindo para a formação de uma enorme legião de programadores e desenvolvedores de jogos.

microcomputador Sinclair ZX-80 7
NE-Z80 – Nossa versão brasuca

Foi também o responsável por retirar os computadores do universo exclusivo dos “hobistas e entusiastas da eletrônica”, levando-o ao mundo dos eletrônicos de consumo, como TVs e aparelhos de som.

Aqui pelo Brasil, em outubro de 1981, a revista Nova Eletrônica disponibilizou aos leitores kits para construção de um clone do ZX-80, o primeiro por estas bandas, que foi batizado como NE-Z80.

microcomputador Sinclair ZX-80 6
Um ZX-81 virtual no MCCEmu

Quer experimentar este e outros computadores e consoles antigos, do Brasil e do mundo, de forma virtual no seu próprio PC?
Baixe neste endereço o multiemulador do Museu Capixaba do Computador (MCCEmu) e divirta-se!


E você, teve alguma das versões do ZX-80/ZX-81?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “⚙ >> Legendas/CC >> Traduzir automaticamente”.

Conhecendo o Sinclair ZX-80
O SInclair ZX80, ZX81 e o Timex Sinclair 1000
Entrevista com Sir. Clive Sinclair
Mais em:



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

WhatsAppmessengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Somos um projeto sem fins lucrativos. Mas temos despesas. 😊
Se você curte nosso trabalho, gostaria de nos ajudar a pagar as contas?

Clique no botão abaixo e faça uma contribuição voluntária, de qualquer valor!

Você ainda tem a opção de tornar esta ajuda permanente, com um valor mensal fixo, marcando a opção “Transformar em doação mensalmente

botão doação paypal
paypal QR Code doação

Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *