Gostou? Curta e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe também seu comentário no final da postagem!

Em 05 de julho de 1951, o pesquisador William Shockley, da empresa estadunidense Bell Labs, anunciava numa conferência pública de imprensa a invenção do “transistor bipolar de junção”.

Este novo tipo de transistor resolvia vários dos problemas do seu predecessor, o “transistor de ponto de contato” [1], primeiro tipo inventado em 1947 por John Bardeen e Walter Brattain, também dos laboratórios Bell.

Além de ser mais eficiente, consumia muito menos energia e tinha uma dimensão física bem inferior.

Reza a lenda que Shockley, ressentido (ou talvez com inveja) por ter ficado de fora da coautoria do primeiro transistor demonstrado em dezembro 1947, trancou-se no se laboratório e saiu de lá, um mês depois, com uma nova proposta.

Tratava-se de um novo tipo de transistor, bem diferente do anterior, que se baseava na tecnologia da “junção PN” descoberta por Russell Shoemaker Ohl em 1940.

Desenvolveu então esta nova tecnologia e fez questão de que, dessa vez, seu nome fosse o único no pedido de patente, realizado em 26 de junho de 1948.

transistor bipolar de juncao 2
Da ideia ao primeiro dispositivo comercialmente viável

Contudo, a construção da sua ideia era complexa e custosa para tecnologia da época, inviabilizando a produção comercial em grande escala.

Foram necessários mais dois anos de muita pesquisa para que, em 1950, os cientistas da Bell conseguissem implementar, fisicamente e de forma viável comercialmente, o que estava na cabeça de Shockley . O primeiro protótipo ficava pronto e utilizava o elemento “germânio” como base.

Já ouviu falar nas siglas NPN e PNP para transistores? Então, estes são exatamente os transistores de junção 😊. Tecnologia até hoje existente e que revolucionou a eletrônica de estado sólido, substituindo as antigas válvulas eletrônicas.

Posteriormente, em 1954, uma nova evolução da tecnologia chegaria, com o advento dos transistores baseados em silício. [2]

Bardeen, Brattain e Shockley viriam a dividir, merecidamente, o Prêmio Nobel de Física em 1956.


E você, conhece outros tipos de transistor?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “Legendas/CC –> Traduzir automaticamente”.

Documentário “O Transistor”, de 1953.
Transistor – A invenção que mudou o mundo
Mais em:



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

messengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Gostou? Curta e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe também seu comentário no final da postagem!

Um comentário

Deixar uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.