Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Em dezembro de 1943, o computador Colossus Mark I era enviado à instalação “secreta” de Bletchley Park, do governo inglês.

O Colossus tratava-se de uma máquina computacional eletrônica, que tinha por missão ajudar aos cientistas britânicos a “quebrar” o sistema de codificação de Lorenz, usado pelo exército nazista.

Foi construído pelo engenheiro do Correio Britânico Tommy Flowers, a pedido do matemático Max Newman, membro da equipe de cientistas de Bletchley Park, secreta instalação militar britânica onde funcionava a Government Code and Cypher School – GC&CS (Escola de Código e Cifra do Governo).

Na construção do primeiro protótipo, Flowers planejou usar mais de 1.500 válvulas eletrônicas, o que resultava em uma probabilidade grande de falhas, dada a baixa confiabilidade deste componente na época.

Entretanto, Flowers, que já tinha longa experiência na construção de amplificadores e repetidores para os sistemas do Correio, já tinha percebido que, se mantidas permanentemente ligadas, as válvulas apresentavam uma taxa de falhas muito baixa.

E, embora enfrentando o ceticismo de toda a equipe, Flowers provou que estava certo, entregando o sistema funcional em dezembro de 1943, quando foi desmontado e enviado para Bletchley Park.

Após ser remontado em seu novo endereço pelos engenheiros Harry Fensom e Don Horwood, o Colossus Mark I entraria em operação definitiva no dia 5 de fevereiro de 1944.

Voltando às máquinas criptográficas alemãs, pra quem achava que a famosa máquina Enigma de codificação nazista era o cão chupando manga com seus 3 discos de codificação, a máquina de Lorenz tinha “só” 12, o que aumentava exponencialmente as possibilidades de combinações de códigos.

computador Colossus Mark I 2
Uma das máquinas de codificação de Lorenz

Felizmente (para o exército aliado), dada sua maior complexidade e custo, só era usada pelo alto escalão do exército alemão.

Para o processo de quebra da criptografia, o Colossus recebia um conjunto de cartões perfurados como entrada, contendo possíveis soluções para um código a ser testado.

A partir destes dados, o sistema processava todas as combinações planejadas para o teste da validade do código. Isso agora levava apenas algumas horas, em vez das semanas que o processo manual anterior tomava.

Contudo, apesar da enorme ajuda que o Colossus trouxe, os pesquisadores contaram também com um bom golpe de sorte, quando, em um “vacilo”, um telegrafista alemão retransmitiu duas vezes seguidas a mesma mensagem, usado o mesmo código de cifragem, mas mudando algumas letras.

Isso bastou para que os cientistas ingleses de Bletchley Park criassem um modelo matemático da máquina de Lorenz sem nunca terem visto uma.

Dado seu extraordinário e estratégico mecanismo, a existência da máquina de Lorenz, bem como a dos computadores Colossus, permaneceu oculta até os anos 70.

Durante a 2ª guerra, dez computadores Colossus foram colocados em operação, mas apenas duas unidades foram preservadas. Uma delas está no Museu Nacional de Computação em Bletchley Park.

Para conhecer ou relembrar:

Quer ter a experiência de operar uma dessas máquinas de Lorenz? Aqui neste endereço você acessa uma versão virtual, que roda direto no seu navegador.


E você, saberia informar a importância dos métodos de codificação e criptografia no nosso dia a dia?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “⚙ >> Legendas/CC >> Traduzir automaticamente”.

Criando um gigante
O Colossus em funcionamento
Mais em:



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

WhatsAppmessengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Somos um projeto sem fins lucrativos. Mas temos despesas. 😊
Se você curte nosso trabalho, gostaria de nos ajudar a pagar as contas?

Clique no botão abaixo e faça uma contribuição voluntária, de qualquer valor!

Você ainda tem a opção de tornar esta ajuda permanente, com um valor mensal fixo, marcando a opção “Transformar em doação mensalmente

botão doação paypal
paypal QR Code doação

Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *