Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Em 07 de dezembro de 1962, o físico Sir John Cockcroft, da Universidade de Manchester, inaugurava o (super)computador Ferranti Atlas.

Estamos em 1956 e os cientistas do Reino Unido começam a se conscientizar de que, embora tenham inicialmente liderado esta disputa no período pós-guerra, estavam ficando em desvantagem na competição com os EUA na criação de grandes computadores.

Isso foi reforçado por B.W. Pollard, da empresa Ferranti Internacional, que durante uma conferência naquele ano comentou:

“Existem neste país uma gama de computadores de velocidade média, sendo que as duas únicas máquinas realmente rápidas, o EDSAC 2 (de Cambridge) e o Mark 2 (Manchester), são muito lentas quando comparadas às melhores máquinas americanas”

A Universidade de Manchester já era nesta altura um dos principais centros de computação do mundo, tendo produzido em 1948 o Small-Scale Experimental Machine (SSEM), que ficou conhecido como “Manchester Baby”, e o Manchester Mark 1 em 1949.

Voltando a 1956, o pesquisador Tom Kilburn, do Departamento de Engenharia Elétrica da Universidade de Manchester, e que também havia participado da construção do SSEM, vinha desenvolvendo protótipos experimentais baseados em transistores, na busca por ganhos de performance.

computador Ferranti Atlas 2
Partes constitutivas

Sua meta era desenvolver novas tecnologias e abordagens para construir um computador multiusuário, com uma memória primária de pelo menos 500Kbytes e uma velocidade de operação de um milhão de instruções por segundo.

Buscou parceiros dispostos a financiar sua pesquisa, culminando com a adesão da Ferranti em 1958, agregando não só seu vasto know how em design e fabricação de computadores, mas também sua experiência em processamento de dados comerciais. A partir daí, o projeto deslancha.

E assim, após anos de trabalho e muitas mudanças no projeto, nascia em 1962 o Ferranti Atlas, o computador mais poderoso do mundo em sua época, considerado como sendo um dos primeiros supercomputadores do mundo e pioneiro também na aplicação do conceito de memória virtual, hoje presente em todos os sistemas.

computador Ferranti Atlas 3
Registro do momento de sua entrada em operação

Durante sua vida, o tempo de processamento do Atlas foi compartilhado entre a Universidade de Manchester e a Ferranti, que o alugava para terceiros por meras £500 por hora de operação.

Posteriormente, a Ferranti produziria outras duas unidades do Atlas, encomendados pelo consórcio London University/British Petroleum e pelo Atomic Energy Research Establishment, centro de pesquisa atômica do Reino Unido.

Um novo modelo mais “modesto”, o Atlas 2, seria ainda desenvolvido em 1963 por uma parceria entre a Ferranti e a Universidade de Cambridge. As três unidades produzidas, rebatizadas como “Titan”, foram instaladas na Universidade de Cambridge, no Atomic Weapons Research Establishment e no Computer Aided Design Center.

computador Ferranti Atlas 4
Notícia em jornal da época

O primeiro exemplar deste computador memorável e que entraria para a história, foi desligado definitivamente em 30 de novembro de 1971.

Íntegra do livro The Story of Atlas (A História do Atlas):

Loader Loading…
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab


E você, saberia dizer que outro famoso computador britânico dos anos 80 tem um importante componente produzido pela Ferranti?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “⚙ >> Legendas/CC >> Traduzir automaticamente”.

Ferranti Atlas: o primeiro supercomputador britânico
O Ferranti Atlas 2/Titan no CAD Centre
Mais em:



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

WhatsAppmessengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Somos um projeto sem fins lucrativos. Mas temos despesas. 😊
Se você curte nosso trabalho, gostaria de nos ajudar a pagar as contas?

Clique no botão abaixo e faça uma contribuição voluntária, de qualquer valor!

Você ainda tem a opção de tornar esta ajuda permanente, com um valor mensal fixo, marcando a opção “Transformar em doação mensalmente

botão doação paypal
paypal QR Code doação

Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *