Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Em novembro de 1983, depois de um longo hiato, a britânica Ferranti lançava o microcomputador Ferranti Argus Pro-Personal.

A empresa Ferranti, sediada em Manchester/Inglaterra, foi uma das empresas pioneiras no mundo no desenvolvimento de computadores, responsável pela fabricação do histórico computador Manchester/Ferranti Mark I em 1951, o primeiro computador digital comercial e totalmente eletrônico de uso geral, seguido de diversos modelos como o FINAC, Pegasus, Atlas, entre outros.

Apesar do seu pioneirismo, com o passar dos anos, incapaz de competir financeiramente com outros grandes fabricantes norte-americanos de computadores, a empresa acabou por ter sua divisão de computadores vendida para britânica International Computers and Tabulators – ICT (posteriormente International Computers Limited – ICL).

microcomputador Ferranti Argus Pro-Personal 2
Detalhe do teclado com a tecla “command”, que duplicava o número de teclas de função

Como resultado, o acordo negociado entre essas duas empresas impediria a Ferranti de produzir computadores comerciais por cerca de quinze anos.

Mas vencida esta fase de restrição legal, a Ferranti passaria a fabricar terminais para acesso a computadores de grande porte da IBM e ICL, que, com pequenas modificações, se transformavam em um microcomputador completo capaz de executar o sistema operacional CP/M.

O Ferranti Argus Pro-Personal Computer, ou simplesmente Ferranti Argus PPC, foi uma progressão natural disso, sendo construído em conjunto com a fabricante britânica Future Technology Systems, que projetou e construiu a maior parte da sua eletrônica, incluindo a placa mãe, alojada em um gabinete Ferranti.

microcomputador Ferranti Argus Pro-Personal 3
Vista traseira

A intenção da empresa era fazer com que o Argus PPC se “encaixasse” na sua linha já existente de minicomputadores Ferranti Argus, usados em controle de processos industriais, marcando a “reentrada” de um dos históricos gigantes da computação, agora no segmento da computação pessoal profissional.

O Argus PPC foi concebido em um projeto modular composto de 3 peças: um monitor sobre uma base giratória, um teclado e um gabinete principal, onde residiam a CPU e as unidades de disco.

O modelo básico contava com um processador Intel 8086 de 16 bits rodando a 8MHz de velocidade, memória RAM de 128k (expansível a 896k), duas unidades de disquetes de 320KB de capacidade, um monitor monocromático de 12” e resolução de 640 x 320 pontos, teclado profissional completo com numérico reduzido e 13 teclas de função (com função dupla cada), além de conexões externas para teclado, monitor e três portas seriais tipo RS-232.

microcomputador Ferranti Argus Pro-Personal 4
Vista interna

Outras versões com diferentes configurações estavam também disponíveis no seu lançamento: PPC-10 (modelo básico com 128k de memória RAM e dois drives de disquete de 320k), PPC-20 (dois drives de disquete 640k), PPC-30 (um disco rígido de 5MB no lugar de um dos disquetes) e PPC-40 (disco rígido de 20MB).

Em relação ao seu software, o Argus PPC operava com uma variante aprimorada do conhecido sistema Digital Research CP/M-86, que a Ferranti rebatizaria como “F-COS86” (Ferranti Computers Operating System).

microcomputador Ferranti Argus Pro-Personal 5
Anúncio da época

O novo sistema, alardeando pela Ferranti como tendo performance superior ao original, possuía, além de uma interface de usuário muito mais amigável (totalmente baseada em menus), recursos de segurança até então só vistos em computadores de grande porte, com a utilização de logins, senhas e perfis hierárquicos customizados de controle de acesso.

Já na área das linguagens de programação, o Argus PPC contava com suporte ao Microsoft BASIC (M-Basic), Digital Personal BASIC (p-Basic), Cis-Cobol e MS-Pascal. Completavam a suíte de aplicativos a planilha Supercalc e o editor de texto F-Text.


E você, conheceu algum dos modelos de computadores da Ferranti?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “⚙ >> Legendas/CC >> Traduzir automaticamente”.

O fantasma de Ferranti – tudo sobre o pioneiro fabricante de chips
Mais em:



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

WhatsAppmessengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Somos um projeto sem fins lucrativos. Mas temos despesas. 😊
Se você curte nosso trabalho, gostaria de nos ajudar a pagar as contas?

Clique no botão abaixo e faça uma contribuição voluntária, de qualquer valor!

Você ainda tem a opção de tornar esta ajuda permanente, com um valor mensal fixo, marcando a opção “Transformar em doação mensalmente

botão doação paypal
paypal QR Code doação

Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *