Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Em abril de 1993, a fabricante estadunidense de chips AMD lançava sua versão do Intel 80486, o microprocessador AMD Am486.

Chegando para suceder ao AMD Am386, o AMD Am486 foi uma linha de microprocessadores de 32 bits de 4ª geração, com performance equivalente à do modelo de referência Intel 80486, mas com preços mais atrativos, mesma estratégia adotava pela AMD em seus modelos anteriores.

Anunciado em fevereiro de 1992, teve seu lançamento adiado em função da disputa judicial ainda pendente com a Intel, onde esta última questionava o antigo acordo feito entre as empresas em 1976, que dava direito à AMD de usar tecnologia da Intel em seus microprocessadores.

microprocessador AMD Am486 2
Vista ao microscópio

Com as questões legais remediadas, eram finalmente lançados em abril de 1993 os primeiros modelos da família, os AMD Am486DX, equivalente aos modelos Intel 80486DX do concorrente, que contavam com o coprocessador matemático integrado e com velocidades de operação de 25, 33 e 40MHz.

Com uma política de preços agressiva, a empresa chegou ao final do ano com uma participação de mercado de 20%, faturando US$250milhões com o novo processador, ampliando sua fatia no segmento para 40% dois anos depois.

Assim como a Intel, a AMD também produziria uma versão simplificada do microprocessador, com o coprocessador matemático desativado, batizada como AMD Am486SX.

Com um preço ainda mais atraente, tornaram-se uma opção de upgrade para os donos de computadores com processadores de gerações anteriores, que não estivessem dispostos a fazer grandes investimentos.

microprocessador AMD Am486 3
Uma das versões de clock duplicado

Posteriormente, entrariam na “onda” dos multiplicadores de frequência de clock, artifício também utilizado pelos concorrentes, concebido como forma de contornar as limitações tecnológicas dos circuitos das placas mãe, que impediam velocidades de operação maiores.

A grande “sacada” foi a de acelerar “apenas” a frequência interna do processador, mantendo toda a comunicação externa no limite tecnológico, garantindo-se um melhor resultado na execução de instruções pela CPU, sem requerer grandes mudanças nos circuitos externos da placa.

Surgiriam assim os processadores com denominação DX2, que internamente operavam com o dobro da frequência nominal de clock da placa mãe, e posteriormente os DX4, que multiplicavam por “3” esta velocidade de operação do processador…

Mas porque chamaram de DX4 e não DX3?

Boa pergunta😁

microprocessador AMD Am486 4
O modelo “matador” de Pentiums

Esticando ao máximo a vida de sua linha Am486, a AMD produziria como último modelo AMD Am486DX4 com velocidade de 120MHz, capaz de obter performance superior ao recém-lançado Intel Pentium (operando em 60MHz em seu primeiro modelo), mas por uma fração do seu preço.

Nos anos seguintes, introduziria algumas melhorias no projeto, como funcionalidades de economia de energia e ampliação da memória cache.

Em 1995, enquanto ainda não tinha disponível seu modelo concorrente para o Intel Pentium, a AMD faria uma última atualização do seu AMD Am486, produzindo o modelo AMD Am5x86, uma versão “melhorada” do Am486 e que alcançaria o posto de 486-compatível de maior performance já produzido.

microprocessador AMD Am5x86 1
AMD Am5x86, último suspiro do Am486

O AMD Am486 foi o microprocessador responsável por retirar a AMD do rol de fabricantes de 2ª linha, colocando-a, a partir do seu lançamento, como uma das “titulares” no fornecimento de processadores para grandes fabricantes de computadores.


E você, teve um computador com microprocessador AMD Am486?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “⚙ >> Legendas/CC >> Traduzir automaticamente”.

As entranhas de um AMD Am486 DX4
CPUs AMD de 1975 ate hoje.
Mais em:



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

WhatsAppmessengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Somos um projeto sem fins lucrativos. Mas temos despesas. 😊
Se você curte nosso trabalho, gostaria de nos ajudar a pagar as contas?

Clique no botão abaixo e faça uma contribuição voluntária, de qualquer valor!

Você ainda tem a opção de tornar esta ajuda permanente, com um valor mensal fixo, marcando a opção “Transformar em doação mensalmente

botão doação paypal
paypal QR Code doação

Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Um comentário

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Na realidade quem quase faliu a AMD foi o processador K5 que tinha um desempenho desastroso. Quem salvou a AMD foi uma empresa praticamente desconhecida que projetava processadores chamada Nextgen que produziu processadores 5×86 com desempenho equivalente aos Pentium da Intel. A AMD comprou a Nextgen e passou aproduzir com sua tecnologia os processadores Athlon com um novo barramento mais eficiente que o da linha Intel.