Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Em 11 de janeiro de 1960, o cientista da computação Peter Naur, em conjunto com um grupo de especialistas europeus e americanos da Association of Computing Machinery (ACM), publicavam as especificações da linguagem de programação Algol 60.

Batizada com o termo cunhado a partir da expressão “ALGOrithmic Language”, o Algol se trata se uma família de linguagens de programação de alto nível criada em 1958 e focada originalmente em aplicações científicas, sendo a responsável pela criação do conceito de Programação Estruturada.

Foi precedida pela Algol 58, também chamada de International Algebraic Language (IAL), especificada pela International Federation for Information Processing IFIP (Federação Internacional para Processamento de Informações).

Mas as profundas mudanças implementadas nesta revisão de 1960, publicada no documento “Report on the Algorithmic Language ALGOL 60″, fariam com que a nova versão Algol 60 fosse tratada efetivamente como uma nova linguagem.

linguagem de programação Algol 60 2
O histórico documento que criou as definições da linguagem

Apresentada publicamente durante um encontro de cientistas realizado em Paris/França, ocorrido entre os dias 11 e 16 de janeiro de 1960, tem como uma das suas características relevantes a desvinculação entre a sintaxe e a indentação/posição do código em relação às colunas/linhas da tela.

Isso permitida organizar o código de forma muito mais legível em comparação com as linguagens usadas até então.

Curiosamente, a especificação oficial não dispunha de nenhuma função de entrada e saída de dados, como por exemplo comandos para imprimir uma mensagem na tela. Isso fez com que cada uma das implementações da linguagem criassem as suas próprias opções, tornando-as incompatíveis entre si.

Foi uma das linguagens de maior influência na história da programação, amplamente utilizada para documentação de código e para o ensino. Serviu de base para o surgimento de outras linguagens como PL/I, Simula, BCPL, B, C e uma linguagem conhecida por muitos de nós, o Pascal, com a qual guarda muitas semelhanças.

linguagem de programação Algol 60 3
Um exemplo de código Algol

Esta influência se confirma ao compararmos as linguagens modernas com as contemporâneas do Algol, como o FORTRAN, Cobol e LISP, onde percebermos que a grande maioria das novas linguagens não guarda qualquer similaridade com estas.

Uma das exceções foi a linguagem BASIC, que, mesmo tendo nascido alguns anos depois do Algol, fugiu do modelo estrutural introduzido por ela.

Haveria ainda posteriormente uma versão Algol 68, substancialmente diferente de ALGOL 60, fato que fez com que não fosse muito bem aceita pela comunidade.

Assim, quando falarmos simplesmente de “Algol”, via de regra estamos nos referindo à versão Algol 60 e suas variantes, inclusive proprietárias.

Íntegra da versão original do relatório com a especificação da linguagem:

Loader Loading…
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab

Versão revisada:

Loader Loading…
EAD Logo Taking too long?

Reload Reload document
| Open Open in new tab


E você, já programou em Algol?

Clique aqui e deixe seu comentário no final desta postagem! Sua participação é muito importante pra nós!

Vídeo(s):

*legendas disponíveis nos controles do Youtube, na opção “⚙ >> Legendas/CC >> Traduzir automaticamente”.

Professor Brailsford fala do Algol 60
Entrevista com Tony Hoare, um dos criadores do Algol 60
Mais em:



*As imagens utilizadas nesta postagem são meramente ilustrativas e foram obtidas da internet.


Quer nos ajudar com doações de itens para o acervo do Museu Capixaba do Computador – MCC?

Entre em contato conosco por meio dos canais de comunicação identificados nos ícones abaixo, ou ainda por quaisquer uma das nossas redes sociais listadas no topo da página.

WhatsAppmessengerinstagram directemail
Clique no ícone desejado e entre em contato conosco!

As doações também poderão ser entregues diretamente na sede do museu, neste endereço.

Para refrescar a memória e te ajudar a identificar alguns itens que buscamos, aqui você encontra nosso álbum de “Procura-se” .

Colabore você também com o primeiro museu capixaba dedicado à memória da tecnologia da informação! 

Doe seus itens sem uso. Você ajuda a natureza e dá uma finalidade socialmente útil pra eles!


Somos um projeto sem fins lucrativos. Mas temos despesas. 😊
Se você curte nosso trabalho, gostaria de nos ajudar a pagar as contas?

Clique no botão abaixo e faça uma contribuição voluntária, de qualquer valor!

Você ainda tem a opção de tornar esta ajuda permanente, com um valor mensal fixo, marcando a opção “Transformar em doação mensalmente

botão doação paypal
paypal QR Code doação

Gostou? Curta, comente e compartilhe a publicação original! Ajude a divulgar o projeto! Deixe seu comentário no final desta postagem!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *